sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O próprio e o pessoal

[O próprio]
Olho e trovejo de raiva, falo com voz alta cheia de ressentimento, sangro o arrependimento que corrói o interior. Se pudesse voltar atrás, regressava. Emendava erros, tentava um passo mais longe. Morto tanto tempo, não conseguindo encontrar a força para continuar a tentar, cair e levantar. Vergonha e embaraço de mim próprio, de ser o que sou e de não conseguir mais do que isto. Esmago o ego e ele volta a crescer, como uma maldita planta que teima em conquistar as muralhas do meu castelo. Maldito o tempo que passou por mim sem eu desconfiar de que o que eu achava benigno era na realidade o que me estava a destruir. A ignorância que deixei passar pelas redes, o talento e potencial que ficou por explorar agora fecham-se atrás de uma porta de cimento num prédio abandonado. Agora olho para trás e envergonho-me de tanto e pergunto-me como fiz o que fiz, se posso trazer a paz da minha infância para os tempos correntes.
Mas nem tudo é negativo. Sinto-me mais forte, mais capaz de continuar a lutar. Muito em geral, mais determinado. Mas muitas vezes não sou determinado o suficiente. Ainda deixo escapar pelos dedos suspiros e choros. Palavras construídas na escuridão da alma e frases forjadas no fogo da mente. Punhos cerrados, boca a sangrar, cicatrizes abertas por causa do esforço para continuar em pé e de lutar. Focado apenas em derrotar o tirano que se apresenta à minha frente, a reflexão do meu passado. Esgotado, tudo o que alguma vez me fez continuar vai-se afastando, transformando-se no escuro que compõe este quarto fechado. As pessoas vão-se embora ou eu as abandono, continuando a alimentar a tristeza e solidão que me compõe. Mas não se pode regressar. Sendo assim, até gosto de como sou. Sou meu.
[A nota mais pessoal]
Não me quero meter no meio do que tens. Por isso me calo. Ausento-me nos teus momentos de maior felicidade e sustento-te quando te sentes mais miserável. És o protótipo dos meus sonhos e a utopia do meu ser. Atira-te ao mar e afoga-te, seguir-te-ei aos confins do Inferno para te trazer à terra e deixar-te aos braços de quem mais feliz te deixar. E se palavras não chegarem, o meu mundo chega ao fim da sua presença no teu Universo. Palavras é tudo o que te posso oferecer, mais que isso apenas a alma porque a mente e o corpo coordenam-se para me impedir de te abraçar. Estamos à mesma altura mas eu procuro elevar-te até onde a minha alma conseguir chegar.

First touch (beneath the warmth of the Sun)

Enough words said by the wind that dances so casually all around us. She approached me with a innocent gaze, enough to startle me back to reality. I don't really fit in here, in this picture. The green hills with the snowy tops, the trees dancing with the wind and singing with the Sun, children playing so happily. It's summertime, vacations and cookies all day. So many flowers covering the ground, all from different colours. Matching the sky, the river travels on, endlessly, with a mysterious flow that hypnotizes and drags us on with it. Lost in my thoughts, what must she think of me now?
"Tell me about yourself, about your thoughts", she said to me. I don't even know what my name is, where I came from. True that the last sight my eyes captured was a lost piece of Hell but how can I go straight forward with my nightmares with a stranger? "You seem repulsed by my world" - she read my thoughts, almost. "Not repulsed, I feel marooned, lost", I answered. "I have shame of the wasteland that my feet last touched. But what more is a wasteland, the fields of war where brothers, fathers and sons die for false freedom or this cynical town where everyone lives so freely as if there isn't blood spilled for it?" I expected a face of shock, an angry stare, maybe even a slap in the face. But no, she just smiled. That confused me even more.
She sat right beside me, hands around her legs, shin on her knee. A compressed beauty that found her way to me. And didn't even knew what to say to her, how to speak. "The stars shine even during the day, they're the silent hope that we eager for", she turned her head to face me, a defiant ray of her mentioned hope. "Can you grasp it?" - she asked me looking to the sky, almost convinced me that she could see them. "How can you believe it? I have lost all faith, in humanity and in myself. I never was a man of faith, I'm not going to start being one after what I saw". She then grabbed my hand, pulled my arm and got near me. Hug me with the strength that I didn't had to continue life. "A little imagination and a friendly hand is all you need, leave the Gods to the fools", she spoke, laid her head in my chest and there we were.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Beneath the warmth of the Sun

"Blessed you are, children, for you do not see the lies your friends tell you and you're blind to the horror of the world where once you fall asleep, you never wake up again. Keep on crying for soon your tears will be deceit and life will be the game you play and manipulate at your will, with your mind. Whether you have it and you can use it or not, that is a theme that I'm not willing to discuss. Dream those smiles and smile while you dream for innocence isn't willing to become a lifetime opportunity of happiness. Enjoy those nightmares while you can because in no time your own life will seem like a nightmare, where friends use friends and then toss them aside. Live on endlessly through memories of coloured lifes, counting sheeps to fall asleep, waking up to the warmth of the Sun. Eventually that will all seem a dream itself, when everyone that you know is gone, including yourself."
The river casually walks by in another summer afternoon. I lay down by the riverside, the summer breeze greeting me as a good friend should. Leafs singing an enchantment of protection upon the land they fall. Even now, eyes closed, peace all around me, I can't feel at ease. I've been trained to kill, living with the objective of dying. I'll always be aware of what surrounds me. Even if my country is at peace and my friends are all dead, I can't rest. So I look up to the blue skies, the clouds passing by. So far away, the sky, the peace. My friends that found rest under the earth have no place to see immortality go by. No Heaven, no promised land, no judgement. And where lies the truth and fairness of life? I'm still searching for the balance here. I've taken so many lifes, my own life spared by the hands of something I don't even know. This reality should be nothing more that fire and ashes.
At the other side of the river I see a girl walking, simply looking into the ground, body present, soul where it belongs. Blonde hair flying, a sad expression in her face and enough solitude to bring the Sun down to Earth. I can't even avert my eyes when she looks at me. Her green eyes are a world to me and in a second her solitude turns to energy and happiness. As if a broken mirror, at the other side of this river is the reverse of me. She smiles so calmly, strangely putting me peaceful. I'm an embarrassed boy looking at her, I'm not myself at all. I regain power over myself as I see her cross the bridge. Lost, paralysed, speechless, I watch her approach me without a clue of what to say, how to behave. I can't even remember my name...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A damned paragraph

Stop hunting me, beauty in disguise. You're my prelude to disgrace, the ropes thigh around my fists pulling me down, facing the darkness, embracing my fall. "It shall reign in a thousand years of misery and you, my servant of desperation, will behold the fall of the empire that you love so much." - her words still echoing in my head, far away and so near the haunts my mind and rots my soul to the core. I deteriorate and she sees me in my desperation, trying to hold, trying to grab the slightest ray of hope to pull me out of this... Maybe anger, maybe bloodthirst, this flashes of rage that consume me bit by bit just by hearing, just by seeing, unable to grab her hand, choke her neck and then cry a supplication in the cold rain, stripped to my soul in sincerity of my love. And seeing tears, drinking her pain, throwing away everything that she knew as her own, as her world, replacing it with memories of her and me, a lifetime away to be. To steal everything from her, egoistic and sadistic, just this selfish desire to feed my ego with a new toy to throw in the garbage, everything a reason to feel down and miserable and let her consume my dreams and my darkness, placing my soul in her hands. In time she'll realise that my body is a empty container, my soul was vain and so it was drained long ago, placed on a white rose on top of highest green hill, where the sunshine never stops shining and I'm closer to Mother than I have ever been.
I'm blind and I live in bliss, I'll never accept my feelings as a part of myself.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010


Explica-me os teus sussurros ao longo da noite, os teus sonhos e pesadelos. Explica-me aquilo que sentes quando falas comigo e aquilo que eu sinto se ainda não te vi. É um mistério que se possa sentir o que não se conhece, não faz sentido, não poder agarrar a escuridão mas saber que está ali. A menos que se seja cego, aí agarra-se o mundo involuntariamente e talvez se viva involuntariamente. Nós somos os beneficiados, os influenciados, os que vêm e os que são enganados. Eu sou o que pensa, o que descobre o que conclui e que então percebe que sempre esteve errado e que pertence à mesma patente de todas as outras formigas que caminham pelos montes. Eu, que nunca caminho sem sentido, que me sinto desgasto apenas quando descanso mais, não sei que mais dizer, que mais fazer, o caminho para a honestidade espontânea abandonou o meu ser há muito.
O silêncio diz-me muita coisa. Aprendo com ele que a vida não é mais que uma filosofia abandonada ao caos da nossa realidade e do nosso tempo, aprendo que os filósofos são mentirosos e sonhadores e que todos os outros são vigaristas, carentes e tristes, procurando abandonar o nosso mundo com a sensação de que conseguiram alcançar algo. E daí provém a sua tristeza, por mais dinheiro que tenham feito, por mais pessoas tenham influenciado, nunca foram mais do que simples humanos que um dia sonharam e que a partir daí deixaram de ter tempo para respirar e aproveitar a sua obra. O silêncio traz-me o ar que respiro, os pensamentos que se aprofundam na minha consciência e se entranham na minha alma para me destruir por dentro. Entranha-se na escuridão dos meus sonhos, completa-me na minha inconsciência indefesa.
E na superfície existem apenas pensamentos involuntários de memórias inexistentes e situações e sentimentos nunca sentidos, que nunca existiram.

domingo, 12 de dezembro de 2010

O olhar da felicidade

E como um sonho, abandono esta realidade confortável. Desperto para um mundo hórrido onde existem apenas barreiras e grades que nos impedem de alcançar minas de ouro e fogueiras quentes rodeadas por tendas preenchidas de felicidade. Vejo e compreendo o cinzento que sempre me acompanhou, agora realmente percebo porque sempre cá ficou. Viro então as costas a este mundo na esperança de fugir mas todas as portas me levam aos mesmos mundos. Desisto e caminho para a chama que apela pela minha presença entre os loucos e felizes. Sento-me e observo, isolo-me e relembro-me da minha clara solidão que ainda mais me assola agora. Por entre olhos soltos que se movem na escuridão, raramente lançam um sorriso no meu caminho. Foco-me num par mais atrevido e sorrio sem intenção mas sem engano. Levanto-me e caminho para as dunas do horizonte, lá poderia definir a minha consciência. Confesso que não absorvi a totalidade da situação, não consegui prosseguir o raro desejo de companhia. Acho errado procurar roubar o que já tem dono mas não consigo largar a agradável sensação de falar, de tocar, de simplesmente estar ao pé daquela criatura. Ainda que apenas por um leve momento nos cruzamos, consegui imaginar a minha vida inteira com ela. Adormeço com o brilho dos seus olhos a resplandecerem nos meus sonhos.
Acordo e a noite ainda está instalada. Aqui a noite é eterna para que a felicidade perdure. Errado seria lutar para trazer o dia para que todos se pudessem sentir miseráveis como eu. Vejo um vulto a afastar-se da chama, a lutar para sair da sombra que apaga os rostos e une os corpos. Uma silhueta do corpo que imaginei para toda a minha vida, de carne e osso, lágrimas e sangue, a caminhar na minha direcção, os seus olhos ainda a brilharem o seu sorriso a agarrar-me a arrastar-me para a sua realidade. Não lhe ofereço resistência, ofereço-lhe sim a minha mão para a ajudar a escapar à união das sombras onde não há individualidade. Puxo-a com todas as minhas forças e trago-a para o meu conforto, perto do meu corpo. Vejo toda a sua face e a infinidade da sua beleza e perco-me nela, envolvido de uma neblina que traz consigo a brisa de Verão, afastando-lhe os cabelos da cara e seduzindo-me para os seus lábios e o seu ser. Levanto-a e corro, sendo este o único instinto que possuo neste momento, quero afastar-me daqui e começar uma vida feliz.
Os tempos correm em velocidade, horas transformam-se em minutos, minutos alargados onde nos encontramos sentados a conversar. Com todo o medo fico afastado dela, temendo que ela se assuste e se vá embora. Mas ela mantém-se aqui, até no frio em que dormimos abraçados, as noites mais felizes da minha existência. Amamos e sofremos, vemos os tempos passar e os nossos filhos a crescerem, a vida que eu imaginei há tanto tempo agora tornada realidade. Os seus cabelos grisalhos e a sua cara coberta de rugas enquanto que eu me mantenho na mesma condenada imortalidade. Ela lança um último suspiro de amor quando as brumas voltam para a levar. Choro e sofro, há muito que os meus filhos viajaram para encontrar a sua própria neblina e agora viaja ela para a Terra de Verão onde nunca mais temerá o dia ou a noite, o frio ou o quente. E então grito aos céus: "PODEM FICAR COM A MINHA RIQUEZA E COM A MINHA ALMA, TRAGAM-NA APENAS A MIM PARA EU TER A MINHA FELICIDADE". Mas nenhuma riqueza obtenho e encontro-me com uma nova porta para um novo mundo onde bombas caem e pessoas morrem. Aí entro e sento-me no canto mais perto para não encontrar mais olhos pois nenhum alguma vez se comparará aos dela.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

The Great Perversion

You appear in front of me with white silk, neck showing veins that I crave, wanting to sink my teeth in to see the blood flow down into your laced cloth, as I lower my hand to pull your skirt down and...
I want your blood to boil, your heart to explode, to see you covered in blood and innocence, tears in your eyes and love in your lips. Desire and will to sacrifice, all for me in an obscene yet beautiful way.
In a bed of serpents we fall and lose ourselves, after enduring the sea of thorns, an attempt of punishment for the vows made in Avalon of life and love eternal. To leave this path would be to burn the souls that we took so long to paint grain to match the deep blue sky.
Of all the things on this Earth, as we rot into a state of human futility and decadence, hands to the sky, we shout the first words that bring apocalypse upon all for they sold their souls to false ideals and imprisoned the thoughts and souls that were once considered their by birth right.
A great perversion I feel for you as Samhain comes and we gather the provisions of the soul for the Winter Solistice. I entitle my perversion of "Love" for that is what your solid blue eyes expect from me.