quinta-feira, 26 de abril de 2007

Estrada

Terras verdejantes,
Mares vermelhos,
Céus negros,
Enfim paisagens.

Olho à minha volta,
Não te encontro,
Mas não me causa revolta,
Por ti não me revolto.

Continuo a caminhar esta estrada,
Tem buracos negros e fundos,
Mas continuo com a cara lavada,
Neste vida cheia de humanos imundos.

A estrada em frente é escura,
Mas em frente continuo,
Apesar da estrada ser insegura,
Continuo e caminho.

Resolvi continuar,
parar de chorar,
deixar de lamentar,
e desisti de te telefonar.

Conheci outra pessoa,
Encontrei lá a minha alma,
Pega nas tuas asas e voa,
Até onde nenhuma pessoa está salva.

Não vou construir uma estátua,
Vou continuar a caminhar,
Não vou cair na vala,
Vou até onde esta estrada me levar.

1 comentário:

Cookie disse...

Boa Bro!!! A vida é um livro em que os dias são páginas, cuja leitura é sempre nova...