terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Outro dia...

Outro dia que passa com o Sol a brilhar. Outro dia que passe em que eu olho para o espelho com um sentimento desconhecido sobre mim. E outro dia em que me pergunto se fiz a decisão certa ou errada. Se todas as dores que sinto são reais ou são apenas fingimentos para obter mais atenção. Outro dia que passa e o trabalho e as dores vão acumulando, as perguntas pesando nos ombros, a mochila nas costas e, a andar pela rua, vejo mais uma vez a imagem que já vi mais de um milhão de vezes.
Mais um dia mais uma morte... no dia-a-dia oiço vozes que me pedem ajuda pois não sabem onde estão mas a morte não é um lugar é um estado de espírito. O meu espírito já viveu e já morreu. Viveu mais um pouco contigo mas já morreu outra vez pois perdi as minhas esperanças. Agora está morto e sem maneira de voltar à vida. A chama da vida que arde dentro de mim está quase apagada e todas as recordações voltam agora para me assombrarem. Subi e desci durante a minha vida mas nunca me lembrei que seria a minha alma a ser consumida lentamente pela tua alma.
Sem remorsos eu ando nas ruas, sem medo eu me sinto desde que acordo até que me deito. Sem felicidade ou qualquer tipo de contentamento eu vivo. Apenas com amigos posso contar quando, nas alturas difíceis, a Morte me fala. Quando eu me sento na cama a tocar guitarra ou quando ou me encontro com eles na rua, sei que é por eles que o sacrifício da vida vale a pena. Os amigos, apenas os amigos, nos compreendem e nos dizem que poderemos viver para outro dia voltarmos a sofrer. Mas até quando meus amigos, até quando teremos de suportar o peso de sabermos que a Morte nos segue e que será o nosso fim? Ou até quando formos imortais teremos de suportar o peso da vida para todo o sempre apenas para sofrer outra vez num outro dia. Meus amigos até lá, encararei a Morte como um estilo de vida, tendo em conta que alma quase não tenho e o meu espírito está morto.
E tu, minha deusa, serás tu até à minha morte a minha musa ou serás para todo o sempre a minha musa? Ajudar-me-às a suportar o peso da vida e da morte ou deixar-me-às abandonado mais uma vez no meio da chuva, a pensar em ti? Sofro por ti, no entanto, de ti nada oiço e a ti nada digo. Como gostava mais uma vez de sentir o teu calor em mim e que desses vida ao meu espírito mais uma vez. De ver os teus olhos azuis lindos e de conseguir dizer que tu e eu temos futuro juntos. Mas estarei ainda a ser incorrecto a presumir que também me amas? Sim porque eu amo-te e infelizmente para mim só uma maneira para te dizer isto mas são tempos difíceis até que eu te possa ver mais uma vez. Mas uma pergunta te deixo: Amas-me? Ou abandonas-me mais uma vez sozinho na chuva ou no Sol a pensar em ti e de como o meu amor não me é correspondido? Beija-me meu amor pois sou cego a esse tipo de momentos e alheio a esse tipo de sentimentos que em ti residem. Conhece o meu interior com a tua alma e toca o meu espírito com o teu amor. A ti te amo e a mais nenhuma.

Aos meus amigos,
Obrigado,
À minha deusa,
Amo-te

2 comentários:

Ascadae disse...

Muito te enganas pensado que tudo acabará com a Morte. Seja reincarnação, seja Céu, seja Inferno, seja espirito vagueante... acredito, e penso que também tu acredites, que para além do Hoje há o Amanhã, o Outro dia. Não temas a chegada desse dia pois há-de ser um dia triste para quem te perde, mas feliz para quem te volta a ver!
Até lá... vive o hoje de modo a que amanhã não te arrependas!

Rising Demon disse...

Tudo acaba com a Morte porque depois da morte apenas há o facto do nosso espírito vaguiar aí no nada. Visto que o meu espírito já está morto não existe mais nada para mim depois da morte. E eu não tenho medo do Amanhã porque o Amanhã vem todos os dias. Já agora quem fica triste por me perder??